E sobre a relação dos manos...

A Teresa é um doce. É meiga, é carinhosa, é protetora, é amiga, é cuidadosa.

 

O João é espevitado. É reguila, é irrequieto, é mexerico (mexe em tudo...). Mas é doce, meigo, mimoco.

 

Abraçam-se imensas vezes. Ele no meio das maratonas que faz pela casa, atira-se para o colo dela, enrosca-se às pernas dela a pedir mimo, festas, abraços, beijinhos. Se ela o agarra mais do que a energia dele aguenta, lá a empurra, e segue a vida atarefada.

Mas é ciumento. Ele. Ela nem por isso. Mas ele se me vê a dar-lhe mimos, vem logo a correr, reclamando o seu lugar. Empurra-a determinado e eu lá tento abraçar os dois e desviar a atenção dele da disputa. 

 

Enche-me o coração olhar para os dois e reforço a ideia que sempre tive: um irmão é a maior e melhor prenda que podemos dar a um filho.

publicado por pipocateresa às 22:59 | comentar | ver comentários (3) | favorito