As últimas semanas

 
 
 
Cá estamos nós a dar notícias. As duas últimas semanas foram complicadas daí a ausência. Na semana dos feriados tirámos umas mini-férias e fomos, finalmente, a Elvas, conhecer os bisavós e apresentar a princesa àquelas bandas. Esta semana foi duríssima, muito, muito trabalho que ficou atrasado devido aos dias que passámos fora.
Nos próximos tempos prevêem-se um pouco mais calmos, pelo que espero dar atenção a este nosso cantinho.
No Alentejo correu tudo bem. Estava muito calor, mas a princesa vestiu um vestidinho de linho branco para conhecer os bisavós, pelo que até não passou muito mal. Eles ficaram contentes, apesar da situação de saúde em que se encontram. A princesa foi só sorrisos e, agora que aprendeu a bater palmas, presenteou-os com as suas palminhas. Como a Teresa acorda sempre por volta das 7 (ou mais cedo) levantámo-nos cedo e demos uma volta pela cidade. Fomos ao castelo, onde já não ia há imenso tempo, demos um passeio pelas ruas da cidade e foi muito bom. Morei pouco tempo em Elvas, apesar de ser natural de lá, mas como as minhas férias foram muitas vezes por aquelas bandas, gosto muito de voltar e recordar.
Tivemos pouco tempo por lá, porque depois de almoço rumámos ao sul, para casa dos meus pais. O tempo estava muito quente e deu para, no sábado, apresentar a praia à Teresa. Foi muito gira a reacção dela… Como sempre faz perante algo novo, ficou muito séria a observar e depois aos poucos foi ganhando confiança e passado pouco tempo já brincava com a areia. Curiosamente não quis colocar areia na boca. Por volta das 10.30 já estávamos a regressar.
Os dias foram passados no meio de muito brincadeira e muitos mimos. A minha irmã mais velha mora perto dos meus pais pelo que foi uma oportunidade para a Teresa e a prima R. brincarem um pouco mais. A R. gosta imenso da Teresa e a minha pequenina também lhe acha muita piada. A linguagem dos miúdos é universal. Eles entendem-se!
No regresso, pela primeira vez, tivemos que dar o almoço à Teresa numa estação de serviço. Mas correu muito bem! As viagens é que não têm sido muito (nada) fáceis. O ovo massacra-a: é quente, sente-se presa, não vê as pessoas… Estamos a pensar fazer a transição esta semana, embora me esteja a custar porque acho que o ovo acaba por ser mais prático para a transportar.
Está tão linda a minha filha! Reguila, vivaça! Já começamos a ter que dizer não, de vez em quando, porque ela já tem as suas manhas. Eu confesso que pensava que ainda era muito cedo para ela compreender uma voz mais firme ou um não associado a uma cara séria. Mas tenho lido nos livros de puericultura que os bebés já percebem por esta altura e que convém contrariar um pouco as manhas. Na maior parte das vezes tento dar-lhe a volta, distrai-la com qualquer coisa, para evitar a birra, mas com o pai já fez duas ou três birrocas. Custa-me imenso não me rir quando ela faz das dela – por exemplo, atirar os brinquedos constantemente para o chão e reclamar imediatamente por eles – porque vejo que é ela a crescer, alegre, espevitada. Mas também sei que é ela a testar os limites e que, como tal, convém que sejamos nós a transmiti-los.
E assim anda a vida no reino da Pipoca!
publicado por pipocateresa às 22:34 | comentar | favorito