Sobre a amamentação na minha ausência...

Cá em casa estamos em exclusivo com o leite materno e esta semana tive que ausentar por duas vezes por motivos profissionais. Estive fora mais de 3 horas pelo que foi necessário encontrar uma estratégia que permitisse que a Pipoca continuasse a ser alimentada.

 

Falei sobre o assunto com a médica na consulta dos 2 meses. Ela aconselhou-me a tirar o leite e a dar-lhe com o biberão. Avisou-me logo que não era muito conveniente porque a pipoca poderia ficar confusa e recusar a mama. Tive que arriscar.

 

Tenho uma bomba manual da NUK e comecei por tentar tirar leite com ela. No entanto, demorava imsenso tempo pelo que uma amiga me emprestou a bomba eléctrica da MEDELA. Uma maravilha! Em 10 minutos tiro o leite necessário e sem ser preciso muito esforço. Decidimos fazer uma primeira experiência, antes do dia em que eu estaria ausente, para tentar perceber se a Teresa aceitava bem o biberão. Tinha 120 ml para beber e bebeu apenas 60, mas aguentou as 3 horas de intervalo entre mamadas e bem disposta, pelo que a tarefa foi superada.

 

Na terça foi o primeiro dia em que me tive que ausentar e o papá deu o leitinho à pipoquinha. Ela bebeu cerca de 60 ml e não quis mais, mas voltou a aguentar bem as 3 horas. Quando cheguei dei-lhe a mama e ela pegou bem. No entanto, depois desse dia, aconteceu duas vezes recusar a mama. Depois de muito esforço acabou sempre por mamar, mas com muita lágrima à mistura.

 

Ontem tive que me ausentar novamente e ela voltou a recusar a mama à noite. Foi terrível porque desta vez chorou imenso tempo. Eu já com um aperto enorme no coração e a sentir-me super culpada por ter aceite fazer o que quer que seja quando ainda estou de licença. Cheia de medo que ela não voltasse a querer mamar ao peito... Depois de muitos mimos e de algum tempo com ela encostada à mama, lá decidiu mamar. Estava cheia de fome!

 

Já decidi que não volto a dar-lhe biberão antes dos 4 meses! No entanto, aos 4 meses termina a minha licença e aí terá mesmo que ser. Eu trabalho a uma hora de Coimbra, pelo que durante o dia a Teresa vai ter que fazer uma refeição de papa e outra de biberão. Vou tirar o leite para lhe dar porque gostava que o leite materno durasse o mais tempo possível, enquanto ela e eu quisermos. Mas confesso que tenho medo. Esta é aliás das poucas coisas que me gera ansiedade e nem consigo explicar muito bem porquê. Só de pensar que quando começar a trabalhar ela poderá estranhar, ficar com fome, querer maminha e não ter, ou então deixar de querer, entro em stress. Pelo menos já sei que consigo tirar leite e isso é algo que me dá imensa satisfação. 

 

Vamos ver...

publicado por pipocateresa às 10:43 | comentar | favorito